Edegar Garske explica acusações


 Na manhã de quarta-feira, a guarnição de serviço da Brigada Militar recebeu da sala de operações a missão de comparecer em uma residência localizada na Rua Duque de Caxias, esquina com a Rua Santos Dumont. A denúncia dava conta de que um idoso estaria espancando um cachorro.

 O caso teve grande repercussão na imprensa local, motivo pelo qual nossa reportagem visitou Edegar Garske para ouvir a sua versão. Veja o que ele disse: “Levantei pela manhã, e como faço sempre, abro a porta que dá acesso ao pátio e olho a minha horta. Logo percebi que havia algo diferente, como panos velhos e uma almofada fora do lugar. Nisso um cachorro me vê e sai correndo. Outro de porte menor, estava dormindo em um sofá velho que tenho no numa área coberta. Então fui até o portão da frente de casa e o abri, depois fiz a volta no sofá onde estava o cachorro e toquei nele para espantá-lo, nisso ele se assusta e tenta me morder no rosto, então, pelo susto, peguei um pedaço de pau, pois que eu estava em cima de uma pilha de lenhas, e acertei a cabeça do cachorro que deu uns gritos e ficou como morto. Eu achei que ele tinha morrido, por isso coloquei ele num saco e fui tomar café, quando em poucos instantes apareceu a Brigada Militar batendo palmas. Eu os atendi, e eles me perguntaram se eu tinha matado um cachorro”.

 A partir daí uma série de mal entendidos ocorreu, inclusive com os militares que, segundo o relato de Edegar, interpretaram mal o próprio ar de descontração do idoso, que não compreendia o rumo que a situação estava tomando.

 Edegar falou que apenas se defendeu e que é uma pessoa que gosta dos animais e nos mostrou até um bebedouro que colocou do lado de fora, na sua calçada, para os cães de rua.

 Resumindo: Edegar foi parar na Delegacia e responderá por maus tratos a animais e ainda foi “crucificado” por uma grande parcela da comunidade pedritense que não se dispôs a escutar os dois lados de uma história. Esse é o grande erro cometido pelas pessoas, não dar a chance de defesa, de ver os dois lados da moeda, e assim acabam cometendo grandes injustiças, como a que pode estar acontecendo com Edegar Garske.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Em "Comentar como:"
Você pode comentar como "Anônimo"